War Thunder background
Mitsubishi Ki-109: “Uma ameaça inesperada”
Atenção! Esta notícia foi publicada na versão antiga da página. Pode haver problemas com a mostragem da mesma em certas versões do navegador.


O Mitsubishi Ki-109, apelidado “Peggy” pelas forças aliadas, foi um avião japonês do final da guerra desenhado para defender as ilhas japonesas dos bombardeamentos de elevada altitude da USAF. Embora o seu serviço operacional fosse curto, o Ki-109 vai ter uma segunda chance de provar as suas capacidades na próxima atualização 1.71. 

História:

Em 1943, foi tomada a decisão de desenvolver um novo caça pesado/intercetor baseado no bombardeiro já existente Ki-67. O novo desenho foi parte do esforço japonês de anular a estratégia de bombardeamento de elevada altitude conduzida pelos bombardeiros estratégicos norte americanos como os B-29. Para conseguir isto, os engenheiros da Mitsubishi propuseram a instalação de um canhão anti-aeronave de 75 mm Type 88 no nariz do avião. O projeto, designado de Ki-109, foi aprovado no inicio de 1944 e os primeiros protótipos já tinham sido concluídos no verão do mesmo ano.

No entanto, como os primeiros testes mostraram que o avião carecia de velocidade devido à sua elevada massa, medidas foram tomadas para remover equipamento desnecessário para reduzir a mesma. Neste processo, o Ki-109 perdeu a maior parte das torres defensivas e reteve apenas uma na secção da cauda. Outra tentativa de melhorar a velocidade do avião foi a instalação de um novo motor Ha-104ru, no entanto a ideia foi rapidamente posta de parte devido a problemas de fiabilidade, mas a produção dos mesmos continuou.

Em março de 1945, 22 Ki-109 foram entregues à unidade 107ª Sentai, que estava atarefada de proteger as estratégicamente importantes cidades Tóquio e Yokohama. Em Julho, apenas alguns meses antes da guerra terminar, a 107ª Sentai foi formalmente descomissionada, deixando para trás alguns dos Ki-109 para serem testados contra navios, marcando o final do serviço operacional do avião. 



Embora historicamente o Ki-109 teve utilização limitada no final da guerra onde defendeu as Ilhas Japonesas, no War Thunder os nossos veteranos poderão ter uma chance de voar este formidável avião! Ao ser relativamente rápido e ágil, e possuindo um monstruoso canhão antiaéreo de 75 mm, o Ki-109 apresenta não apenas uma ameaça para qualquer bombardeiro, mas também para os caças desprevenidos. 

Ao contrário do irmão mais velho, o Ki-109 não carrega qualquer armamento secundário, que para além das torres, teve de ser removido o compartimento para reduzir massa e permitir a instalação do canhão Type 88 de 75 mmO canhão é capaz de desfazer tudo o que encontra, desde bombardeiros pesados a tanques pesados. 


Wallpaper: 1280x1024 | 1920x1080 | 2560x1440


Enquanto as muniçõs HE provam o devastador poder de fogo contra aviões e alvos leves, onde um acerto é mais que suficiente para enviar o oponente de volta par ao hangar, as munições AP têm penetração suficiente para furar a blindagem até dos mais pesados dos tanques que o Ki-109 vai encotnrar em batalha. Isto, combinado com o desempenho de voo e estabilidade de disparo, torna o Ki-109 uma poderosa e temível escolha para interdição aérea.

No entanto, os pilotos do Ki-109 necessitarão de ter em consideração que o único armamento frontal, o canhão de 75 mm, tem uma capacidade mínima de apenas 15 munições. A eficiência é chave, os pilotos desta máquina terão de se aproximar dos alvos para cuidadosamente atirar a matar, caso contrário correm o risco de ficar sem munições nem estragos feitos. 

O Ki-109 vai entrar na linha entremédia de caças pesados na próxima atualização 1.71. Embora a história deste avião possa não ter sido longa quanto a de outros, a marca deixada pelo canhão de 75 mm vai fazer os seus oponentes não esquecer tamanho encontro tão cedo.


Devblogs anteriores:


A Equipe War Thunder

Ler mais:
Wessex HU.5: O Helicóptero da Rainha
  • 26 fevereiro 2024
Espada da Justiça: Jaguar IS
Pré-reserva: Centauro RGO e Strv 121B Christian II
Teste da nova mecânica de Dano Severo

Comentários (1)

A notícia já não está disponível para comentar