War Thunder background
História das batalhas navais - Parte I
Atenção! Esta notícia foi publicada na versão antiga da página. Pode haver problemas com a mostragem da mesma em certas versões do navegador.


Com as notícias da chegada das Forças Navais ao War Thunder, nós pensamos que os jogadores poderão gostar de um pouco de contextualização histórica do começo da guerra naval. Embora alguns associem a ideia que os primeiros navios de guerra foram os couraçados do principio do século XX, há muitos mais fatores que influenciam a guerra naval que simplesmente ser o maior navio e com a maior capacidade de combate. Os navios do War Thunder partilham muitas qualidades, características e vulnerabilidades com os primeiros navios da gloriosa Era da Navegação à Vela. Boa mobilidade, combate a curta distância e desempenho dependente dos elementos, formam uma ligação real entre os primeiros marinheiros das primeiras marinhas e os marinheiros virtuais do War Thunder...

Navio grego antigo - Pentekontor de 30 metros

Desde que a humanidade tem existido, a natureza humana trouxe sempre conflitos. E desde que o Homem conquistou os mares que o conflito de alguma forma também lá decorre. A guerra naval foi desenvolvida de forma independente em civilizações ao longo da história, com o Mar Mediterrâneo a ser palco das primeiras grandes batalhas. Em 1210 AC, o conflito entre a armada do Rei Suppiluliuma II e a armada cipriota é frequentemente mencionada como sendo a primeira batalha naval registada na história. Os primeiros encontros no mar aconteceram antes dos primeiros navios de guerra serem construídos - seja um navio usado para comércio, transporte, pirataria ou patrulha, os navios do Mediterrâneo foram normalmente movidos a velas e remos, e tinham um convés aberto. As ações entre navios tornaram-se comuns, arietes foram equipados na proa de alguns navios, tornando-se cada vez mais comuns nos primórdios do século VIII AC. No entanto, a navegação a remos não providenciava uma velocidade e precisão adequadas e requeriam um grau elevado de habilidade. As ações de abordagem eram comuns, navios com archeiros e mais tarde à medida que eram mais estáveis, com catapultas.

Modelo de madeira de um Trireme grego

Durante o Império Grego, uma das primeiras e mais decisivas batalhas navais decorreu em Salmis em 480 AC. Uma aliança de Cidades Estado gregas juntaram cerca de 400 navios para enfrentar a colossal armada persa com entre 600 a 1200 navios (depende da fonte). Na batalha, os gregos provaram a superioridade nos mares capturando 200 navios inimigos. A era da improvisação da guerra naval tinha terminado; marinheiros de excelência com manejo profissional dos navios vieram à tona.

Na altura da Batalha de Salamis, as armadas do Mediterrâneo eram na sua maioria compostas por Triremes - um tipo de navio cujo nome derivava no número de linhas de remos. Era uma assumpção histórica que os Triremes tinham normalmente 40 metros de comprimento, com um calado de apenas um metro. Da mesma forma que o Trireme era o desenvolvimento dos mais pequenos e anteriores navios, ele seria aumentado e subsituido pelos mais avançados Quadrireme e Quinqueremes; navios construídos com base em quatro e cinco linhas de remos, respetivamente. Tomando em consideração o modelo ateniense como exemplo, estes navios eram comandados por um Trierarch, ou capitão, com meios financeiros para manter o navio e tripulação composta marinheiros experientes, remadores das classes trabalhadoras e os Hoplitas, ou soldados cidadãos.

Mosaico tunisino de um Trireme romano

O poder no Mar Mediterrâneo mudou e o Império Romano ocupou a posição de poder; um número de inovações foram desenvolvidas nos navios de guerra. As Ballistae, uma arma enorme com desenho semelhante à posterior besta, foram usadas nos convés como arma e grandes harpões eram disparados aos navios inimigos com objetivo de os parar, puxar e aborda-los. Ar armadas romanas preferiam os mais pequenos e leves Liburna em relação aos Triremes e seus sucessores, uma tática que ecoou durante os séculos seguintes. O Liburna ficou conhecido por ter 30 a 35 metros, e novamente, o calado tinha 1 metro. A armada de Marco António em Actium (uma das maiores armadas do mundo antigo) juntou armadas romanas e egípcias, com cerca de 500 navios incluindo 230 galés de guerra, sendo derrotados pela muito mais pequena força de Octávio sob o Almirante Agrippa. Esta derrota permitiu a Octávio consolidar o poder e herdar a República Romana, assegurando que as forças de António em Pompeii e outros não se insurgissem contra ele.

Com a armada bizantina a tomar o poder no século V dc., o próximo passo na evolução dos navios de guerra foi o Dromon, que assistiu ao abandono do ariete e adotando velas latinas. Foi nesta era que alguns dos mais significativos desenvolvimentos na guerra naval altrou para norte, para as ilhas Britânicas e Escandinávia.

Dracar (ou Langskip) de Oseberg

Os Vikings dos séculos VIII ao XI ficaram conhecidos pelos seus icónicos navios longos e rápidos, e marinheiros extremamente experientes, que navegaram navios simples desde a Escandinávia até ao Norte de África e América do Norte. Mais comuns foram as viagens de exploração e raides às costas britânica e francesas. Os Dracar vikings partilham algumas funcionalidades dos primeiros navios do Mediterrâneo, tal como um curto calado, velas simples e remos. Estes rápidos navios seriam classificados em muitos tipos desde os Kervi de 23 metros que eram usados para pesca e comércio, aos Skeid de 30 metros, que permitiam uma tripulação de 70-80 homens, ideal para raides.

A resposta inglesa foi construir navios maiores que os dos Vikings - fontes históricas citam o Rei Alfred a desenhar os próprios navios, com o dobro do comprimento dos navios Viking. Foi com estes navios que duas das maiores civilizações navais do norte da Europa colidiram a meados do século IX, e embora estes confrontos tivessem uma menor escala que as anteriores batalhas do Mediterrâneo, eles assistiram ao nascimento da Royal Navy sob o Rei Alfred the Great. 

Modelo de um Navio Tesouro de Zheng He

A tecnologia naval não fora um fogo das nações europeias. A dinastia Ming sob o comando do Almirante Zheng He, fez sete grandes viagens ao e em redor do Oceano Indico com o que na altura era a mais poderosa marinha que o mundo já tinha visto. Olhando para assugrar rotas de comércio imporatantes para importação de matéria prima e bens de luxo, a Dinastia Ming procurou expandir a influencia da China na região a mais além. Neste período os avanços da tecnoligia catapultou a China para a frente da Europa. A armada consistia em 317 navios incluindo: navios de três mastros, navios tesouro que carregavam enormes quantidades de carga com 9 mastros e 12 velas, mas eram ineficazes para combate. A China conduziu expedições do sudeste da Ásia, India, Corno de África e Médio Oriente. A armada chinesa do período Ming alcançar uma dimensão nunca antes vista. Os conflitos internos precediam o final desta marinha pois os custos de navegar e manter tamanha força eram demasiados. Os Chineses nunca seriam capazes de construir novamente tamanha armada.

Mark Barber & Clayton Remy

Ler mais:
Caixa de Ferramentas!
  • 8 abril 2024
Mad Thunder: Rage and Loot!
Celebre o Dia Internacional do Voo Espacial Tripulado com um Decalque Temático!
  • 12 abril 2024
Thunder Show: FIRE ARC
  • 12 abril 2024

Comentários (1)

A notícia já não está disponível para comentar