War Thunder background
Tn. JG Tetsuzo Iwamoto
Atenção! Esta notícia foi publicada na versão antiga da página. Pode haver problemas com a mostragem da mesma em certas versões do navegador.


#A6M2 Mod 21, Sargento-Ajundante de Primeira Classe Tetsuzo Iwamoto, Grupo Aéreo do Porta-Aviões Zuikaku,
Ataque a Pearl Harbor, 7 de dezembro de 1941.
camuflagem criada por max_86z  | Download


Tetsuzo Iwamoto nasceu em junho de 1916 na província de Karafuto no Japão, o terceiro filho dentre três filhos e uma filha. Seu pai foi um policial e se tornou um oficial de alta patente após se mudar com sua família para Sapporo. Depois de seu pai se aposentar sua família se mudou para uma cidade menor chamada Masuda, aonde Tetsuzo frequentou a escola municipal de Ensino Médio Agropecuária e Florestal enquanto seus pais mudavam sua vocação para o cultivo. Apesar de ser um aluno superdotado tanto academicamente e fisicamente, sua popularidade com seus professores era fraca devido à sua insubordinação, sua natureza rebelde e às vezes, rude.

Tetsuzo Iwamoto

O jovem Iwamoto se formou no ensino médio em 1934, mas já havia decidido que uma vida de fazendeiro não era para ele. Embora aparentemente viajando para longe de casa para fazer seus exames de vestibular para a faculdade, Iwamoto se alistou na Marinha Imperial Japonesa como recruta, uma decisão que desapontou profundamente seus pais que estavam contando com sua ajuda na fazenda da família. Após um ano e meio de serviço, Iwamoto trabalhava como mecânico do porta aviões Ryuujou; inspirado pelo estilo de vida dos aviadores embarcados, ele decidiu se juntar à fraternidade de elite dos pilotos navais. Após passar no exame de entrada Iwamoto iniciou o treinamento de voo e se formou em dezembro de 1936.

Seis meses de treinamento avançado de voo se seguiram, incluindo operações embarcadas. Mas Iwamoto não veria combate até fevereiro de 1938. Agora parte do 12º Grupo Aéreo, o piloto de primeira classe Iwamoto foi enviado à China onde hostilidades estavam sendo trocadas entre China e Japão desde junho de 1937. Em sua primeira missão de combate, seu grupo de voo foi atacado por uma grande formação de I-15 e I-16 chineses sobre Nanchang. Quebrando formação com os bombardeiros que havia sido incumbido de proteger, os caças japoneses A5M engajaram as aeronaves inimigas e Iwamoto incrivelmente abateu quatro inimigos com um provável quinto abatido. Em 29 de abril Iwamoto repetiu o incrível feito de abater quatro aeronaves em um dia e quando ele foi ordenado de volta ao Japão em setembro, ele havia abatido 14 inimigos em 82 missões e era o maior ás naval japonês da guerra.

Após uma excursão como instrutor, sargento-ajudante de primeira classe Iwamoto retornou para as linhas de frente abordo do porta aviões Zuikaku, agora pilotando o lendário caça A6M “Zero”. Iwamoto estava voando para o dia da infâmia - o ataque em Pearl Harbour - mas voou como suporte aéreo sobre o grupo de porta aviões ao invés de escoltar o grupo de ataque. Iwamoto estava fortemente envolvido na guerra aérea no Pacífico desde o início, frequentemente liderando grupos de A6Ms contra seus inimigos americanos, britânicos e australianos. Iwamoto se envolveu em combates aéreos violentos na batalha do mar de corai em maio de 1942, quando o grupo aéreo de Zuikaku sofreu perdas significativas. Isto levou ao retorno para o Japão para reabastecimento, treino e substituição da tripulação resultando na falta de Iwamoto e seu grupo da batalha de Midway.



As perdas devastadoras de Midway resultaram em Iwamoto sendo pressionado de volta ao serviço como um instrutor de voo em um esforço para juntar o pequeno time no Japão que freneticamente treinava novas tripulações aéreas para deter o avanço dos aliados. Após um ano em serviços de instrucionais, chefe-ajudante oficial Iwamoto retornou para as linhas de frente e se juntou ao 253º grupo aéreo, pilotando A6Ms de Rabaul em novembro de 1943. Envolvido em combates aéreos diários, o experiente líder de combate liderou seu quadro de cada vez mais pilotos novatos e inexperientes contra o poderio da marinha americana e da USAAF. Enquanto esteve em operação a partir de Rabaul, Iwamoto alegou o abate da incrível quantia de 142 aeronaves inimigas.

Ordem Japonesa do Papagaio Dourado, 5º Grau

Após se retirar de Rabaul, Iwamoto retornou para o Japão em junho de 1944 para uma breve pausa das linhas de frente, antes de retornar para o combate nos céus de Formosa e das Filipinas no outono e inverno. Em novembro de 1944 as habilidades e liderança de Iwamoto foram ainda mais reconhecidas quando ele recebeu uma comissão como oficial nas fileiras da marinha japonesa, ainda como um alistado. As últimas missões de Iwamoto foram junto ao 203º grupo aéreo, defendendo Kuyshu e Okinawa, no longínquo sudoeste japonês contra os ataques dos bombardeiros de longo alcance B-29 e o poderio das forças aéreas dos porta aviões da marinha americana. Os últimos meses de guerra para Iwamoto se passaram treinando pilotos kamikaze em no aeródromo de Iwakuni na ilha de Honshu.

Iwamoto foi promovido para Subtenente em sua aposentadoria forçada da marinha japonesa seguindo a rendição de sua nação. Incapaz de encontrar trabalho no Japão pós-guerra, em parte graças ao sentimento antimilitarista, Iwamoto deparou com problemas de alcoolismo e caiu em depressão. Quando as forças de ocupação aliadas finalmente partiram do Japão em 1952, Iwamoto encontrou um emprego breve em uma fábrica de fiação mas não iria durar - no ano seguinte começaria a sofrer dores abdominais e após várias cirurgias, ele ficava cada vez mais fraco. Em maio de 1955, com 38 anos de idade, Tetsuzo Iwamoto morreu por choque séptico após sua última operação. Várias fontes afirmam que suas palavras finais foram para sua esposa: “quando melhorar, eu quero voar de novo”.

O número final de abates de Iwamoto ainda está aberto para debate. A combinação da prática japonesa de creditar vitórias para um esquadrão ao invés do indivíduo, registos perdidos, e discrepâncias entre os processos de confirmação entre o Japão e nações aliadas significa que o número final nunca será confirmado: a maioria das fontes oficiais creditam Iwamoto 80 abates; seu diário pessoal afirma 202 vitórias, 26 compartilhadas e 22 não confirmadas. Seus tempos de guerra resultaram na distinção da Ordem da Pipa Dourada, 5º Classe. Um homem franco, opinativo e impetuoso no chão, Iwamoto era inversamente um aviador tático, calmo que favorecia táticas de bater e correr ao invés do dogfight clássico. Existe uma boa chance de que ele foi, e sempre será, o maior ás japonês de todos os tempos.


Acerca do autor

     

Mark Barber, Consultor Histórico do War Thunder

Mark Barber é um piloto da British Royal Navy's Fleet Air Arm. O seu primeiro livro foi publicado pela Osprey Publishing em 2008; subsequentemente, ele escreveu vários títulos para a Osprey e também publicou artigos para várias revistas, incluindo a revista de aviação 'FlyPast', topo de vendas no Reino Unido. A sua área de interesse principal é a British Naval Aviation nas primeiras e segunda guerras mundiais e o RAF Fighter Command na Segunda Guerra. Ele trabalha atualmente com a Gaijin Entertainment como Historical Consultant, ajudando a gerir a Secção Histórica dos fóruns do War Thunder e liderando a série Áses do Mês.


Numa das atualizações futuras iremos introduzir as Marcas de Abates de Flor de Cerejeira usadas por Tetsuzo Iwamoto

 
Decalque feito por Jej 'CharlieFoxtrot' Ortiz

Ler mais:
Assista ao Air Superiority 2024 e Receba Prêmios Exclusivos dos Twitch Drops!
  • 10 maio 2024
Opção de Equipes Menores nas Batalhas Realistas Aéreas
  • 27 maio 2024
The Shooting Range #408
  • 27 maio 2024
Thunder Show: CAT&MOUSE
  • 24 maio 2024