War Thunder background
Ás do Mês de outubro - Remy van Lierde
Atenção! Esta notícia foi publicada na versão antiga da página. Pode haver problemas com a mostragem da mesma em certas versões do navegador.

"Typhoon Mark IB (Premium) do No. 609 Squadron RAF, RAF Manston, 1943". Skin feita por coolhand83 | download


Pouco se sabe do início da vida de Remy Van Lierde. Nascido em Overboelare na montanhosa parte leste de Flanders na Bélgica, em agosto de 1915 e, claramente entusiasmado pelo voo em sua juventude se voluntariou para o serviço na Aviation Militaire Belge - na época a aviação militar na Bélgica era parte do exército - pouco depois de seu vigésimo aniversário, se alistando em Setembro de 1935.

Remy van Lierde em uniforme da Royal Air Force

Os resultados de seus testes de aptidão o levaram inicialmente no caminho de um observador não comissionado, mas após a sua formação e treinamento inicial ele serviu brevemente antes de ser selecionado para treinamento como piloto em que começou em maio de 1937. Aviação militar na Bélgica estava progredindo no período entreguerras - o treinamento de pilotos em particular era respeitado internacionalmente e na época do treinamento de Van Lierde, a Bélgica também treinava pilotos militares iranianos.

Van Lierde se qualificou em abril de 1938 e foi enviado para o 1º Regimento de Aviação que era responsável pelo reconhecimento e pela observação para artilharia. Postado no 3º esquadrão do regimento, o sargento Van Lierde voou Fairey Foxes; um bombardeiro biplano de design britânico de dois assentos, um clássico de meados da década de 1920 que a Bélgica importou e construiu sob licença em seu solo.

Quando as forças alemãs invadiram a Polônia em setembro de 1939 e, logo depois, outras nações envolvidas em hostilidades, a Bélgica inicialmente conseguiu se manter neutra. A primeira guerra mundial diretamente devastou a nação, com lutas travadas em campos e cidades belgas não havia desejo ou capacidade de travar outra guerra. No entanto, o governo belga estava ciente dos eventos desdobrando ao redor do país e iniciou a mobilização militar. Em 10 de maio o inevitável ocorreu quando a Alemanha invadiu a Bélgica e o esquadrão de Van Lierde estava em guerra.

O 3º esquadrão estava baseado em Goetsenhoven, um aeródromo de grama no centro da Bélgica, junto a dois outros esquadrões de biplanos Fairey Fox. Van Lierde voou várias missões de reconhecimento contra as forças inimigas em avanço durante a campanha, mas em 16 de maio ele foi abatido por fogo terrestre e foi ferido. Van Lierde foi hospitalizado e não tomou mais parte na campanha - ele estava se recuperando de suas injúrias quando a Bélgica se rendeu em 28 de maio. No entanto, a guerra de Van Lierde estava apenas começando e logo que estava apto para viajar em setembro, ele começou uma jornada que abrangeria grande parte do continente e quase um ano para o trazer de volta para o comando de uma aeronave de combate.



Van Lierde viajou sudoeste e atravessou a fronteira para a França ocupada antes de se dirigir para o sul, atravéz da França de Vichy antes de uma outra tentativa de atravessar a fronteira para alcançar a neutra Espanha. Ele foi apreendido, acusado de imigração ilegal e passou vários meses numerosas prisões espanholas antes de escapar e embarcar em um navio em direção à Grã Bretanha. Ao desembarcar na Inglaterra  em julho de 1941 - nove meses depois de deixar a Bélgica - ele foi sujeito à parocedimentos de detenção e interrogatório padrão que estrangeiros eram submetidos em época de guerra na Grã Bretanha. Isto envolvia principalmente espera e liberação administrativa, então seis semanas se passaram antes de Van Lierde pode finalmente se juntar à Royal Air Force Volunteer Reserve.

Levando em consideração que ele já era um piloto experiente, a transição de Van Lierde para voar na Grã Bretanha consistiu de um breve curso de conversão de três meses nos Spitfires na RAF Hawarden no país de Gales antes de ser postado no esquadrão No.609 em janeiro de 1942. O esquadrão No.609 tinha sido formado antes da guerra e estava fortemente envolvido na batalha da Grã Bretanha; no entanto, estava cada vez mais sendo povoada por pilotos estrangeiros que haviam fugido de suas próprias nações para se juntar à RAF e o recém comissionado piloto oficial Van Lierde era um de uma série de pilotos belgas que reforçavam suas fileiras.

Com a Luftwaffe se tornando uma visão mais rara nos céus da Inglaterra, os belgas do esquadrão No.609 não tinham tantas oportunidades para engajar o inimigo como aqueles que se juntaram à RAF dois anos antes. Em Junho de 1942, pouco depois do esquadrão converter para o mais novo Spitfire Mk.V, Van Lierde danificou um Dornier 217. No final do ano Van Lierde converteu para o Hawker Typhoon - o No.609 operou brevemente com o Mk.1a antes de obter o Mk.1b armado com canhões - e foi promovido para oficial de voo. O esquadrão agora estava sob o comando do líder de esquadrão Roland Beamont, considerado por muitos como um dos proponentes mais qualificados e bem sucedidos do Typhoon durante a guerra. O esquadrão se mudou para Biggin Hill em setembro e depois para Manston em dezembro em uma tentativa de posicionar os Typhoons para uma interceptação rápida contra o crescente número de ataques de caças bombardeiros alemães em voo baixo no sul da Inglaterra. Van Lierde estava regularmente envolvido na prática do esquadrão de intrusões aéreas - voando missões sobre a Europa ocupada contra alvos de oportunidade.



Em 20 de janeiro de 1943, o esquadrão No.609 foi mobilizado para interceptar um ataque de caças bombardeiros contra Londres pelo JG 26 e JG 2. O dogfight que se seguiu, os Typhoons abateram quatro Bf 109 Gs do 6./JG 26 sem sofrer perdas - esses feitos incluíam os primeiros abates para o Typhoon líder ás oficial de voo Johnny Baldwin e Remy Van Lierde. Em março, quando o esquadrão estava em rota de atacar um campo de pouso em Chièvres no oeste da Bélgica, Van Lierde abateu uma aeronave de transporte Junkers 52 que em uma estranha reviravolta do destino foi testemunhado no chão por sua esposa que lhe mostrou pedaços da carcaça da aeronave depois da guerra. Um Heinkel 111 em maio, um Bf 109 em julho, um Junkers 88 em outubro e um Bf 110 em novembro completaram a lista de abates confirmados, fazendo dele a sétima posição dos áses da Bélgica na segunda guerra mundial em termos de aeronaves inimigas tripuladas - mas maiores feitos estavam por vir.

Até o final do ano, Van Lierde já tinha sido promovido para tenente de voo e se tornou um instrutor de artilharia da RAF em Sutton Bridge. Ele aceitou uma promoção para se tornar o líder de esquadrão atuante para um segundo período de serviço no RAF Manston em fevereiro de 1944, mas após se cansar de ficar longe das linhas de frente ele aceitou a demoção para tenente de voo para ser postado no esquadrão No.3, equipado com Hawker Tempests. Em agosto ele foi promovido denovo para líder de esquadrão e tomou o comando do esquadrão No.164. Ele passou seu tempo no Tempest em muitos ataques ofensivos sobre a Europa ocupada em suporte do prelúdio do Dia D, mas mais importante, Van Lierde liderou seu esquadrão em práticas altamente perigosas abatendo bombas foguete não tripuladas V-1. Ele sozinho acarretou a destruição de nada menos que 44 V-1, com outros 9 compartilhados, garantindo a ele o segundo lugar na destruição de V-1 da guerra.

Van Lierde terminou a guerra como um oficial de ligação belga no 2º quartel general tático da força aérea. Ele continuou com a RAF até 1946, quando foi comissionado pela força aérea belga até 1968 quando se aposentou como coronel. Ele faleceu em junho de 1990 aos 74 anos de idade.

Pela a maioria, sua carreira seria impressionante o suficiente, mas em 1959 Van Lierde ainda tinha mais um feito de aviação a realizar. Enquanto voava um helicópteo sobre o Congo Belga, Van Lierde afirmou ver uma cobra gigante de quase 50 pés de comprimento. Para aqueles interessados, as fotos estão na internet e aparentemente foram verificadas por vários especialistas como autênticas.


Numa das atualizações futuras iremos adicionar o seguinte decalque ao War Thunder:

Emblema do No 350 Squadron RAF (Bélgica)


Decalque feito por Jej 'CharlieFoxtrot' Ortiz


Acerca do Autor

     

Mark Barber, Consultor Histórico do War Thunder

Mark Barber é um piloto da British Royal Navy's Fleet Air Arm. O seu primeiro livro foi publicado pela Osprey Publishing em 2008; subsequentemente, ele escreveu vários títulos para a Osprey e também publicou artigos para várias revistas, incluindo a revista de aviação 'FlyPast', topo de vendas no Reino Unido. A sua área de interesse principal é a British Naval Aviation nas primeiras e segunda guerras mundiais e o RAF Fighter Command na Segunda Guerra. Ele trabalha atualmente com a Gaijin Entertainment como Historical Consultant, ajudando a gerir a Secção Histórica dos fóruns do War Thunder e liderando a série Áses do Mês.


Ler mais:
Assista ao Air Superiority 2024 e Receba Prêmios Exclusivos dos Twitch Drops!
  • 10 maio 2024
The Shooting Range #408
  • 27 maio 2024
Thunder Show: CAT&MOUSE
  • 24 maio 2024
XM800T: Destemido
  • 24 maio 2024