War Thunder background
Capitão Alexandru Şerbănescu
Atenção! Esta notícia foi publicada na versão antiga da página. Pode haver problemas com a mostragem da mesma em certas versões do navegador.


1280x10241920x1080

Nascido em 17 de maio de 1912 em Coloneşti, no condado de Olt na Romênia oriental, Alexandru Şerbănescu foi o terceiro de seis filhos. Seu pai, Alexandru, trabalhou como notário. Um estudante dedicado, Şerbănescu se diferenciou de seus colegas durante sua educação por seu entusiasmo, positivismo, e amor pelo esporte. Ao terminar o ensino fundamental em Iasi, ele se inscreveu na escola militar de ensino médio ‘Nicolae Filipescu’ aos 15 anos antes de progredir para a escola de infantaria Prince Charles em Sibiu nos quatro anos posteriores. Em 1933, aos 21 anos de idade, Şerbănescu foi comissionado como 2º tenente e alocado ao 3º batalhão de tropas montanhesas em Brașov na Romênia central.

Alexandru Șerbănescu

Şerbănescu se destacou como um oficial de infantaria. Rapidamente demonstrando uma habilidade natural para a proficiência de liderança, boa pontaria e resistência física como também mostrou grande aptidão para as perícias mais especializadas para um líder de pelotão montanhês. Mas a aviação militar na Romênia continuava a expandir na década de 1930, Şerbănescu pedia por um novo desafio. Em fevereiro de 1939 ele iniciou o treinamento de observação na Força Aérea Romena. Entusiasmado com a aviação, a trajetória da carreira de Şerbănescu foi alterada e ele seguiu para completar seus requerimentos para cursos de aviação técnica e princípios de voo no início de 1940 antes de iniciar seu treinamento de piloto.

A situação política da Romênia durante este período foi complexa no mínimo. Durante a década de 1930 a Romênia era aliada da Grã Bretanha e França, mas, após disputas de território fracassadas para a Romênia, elementos fascistas dentro do país se elevaram e tiveram suporte, do mesmo jeito do nazismo alemão. Na época em que Şerbănescu se qualificou como piloto e foi selecionado para os caças, a Romênia estava para cortar laços com a Grã Bretanha e França e estava procurando suporte com a Alemanha. Como resultado, Şerbănescu treinou em uma variedade de aviões, como Hurricanes das relações prévias com a Grã Bretanha, Bf 109s providos pela Alemanha e o caça doméstico romeno, o IAR 80. Foi no IAR 80 que ele se qualificou como piloto em outubro de 1940.

Apesar de não ser um piloto experiente em seu grupo, a senioridade de Şerbănescu como um oficial e sua experiência na infantaria foram reconhecidas e valorizadas e ele foi nomeado segundo em comando de seu esquadrão quando chegaram as ordens de implantação no fronte russo. O 7º Grupo de Caças foi enviado para Stalingrado para trabalhar ao lado de unidades experientes da Luftwaffe já engajadas, equipados com uma mistura de Bf 109 Es supridos pelos alemães e IAR 80s. Şerbănescu abateu seu primeiro inimigo em 17 de setembro; sete dias depois ele abateu uma segunda aeronave soviética, provavelmente um Po-2.



Bf.109G-6, Capitão Alexandru Serbanescu, Grupul 9 Vanatoare na primavera/verão de 1944.
camuflagem feita por 
NoRemorses | here


A amarga luta continuou pelo outono de 1942, com todos os esforços para repelir o avanço soviético pela região, aparentemente sem resultados. Em 22 de novembro, o campo de pouso do 7º grupo de caças em Karpovka foi cercado por forças soviéticas e uma ordem de evacuação foi dada. Na neve do intenso inverno russo, a experiência de Şerbănescu como líder montanhês foi essencial; o ex-oficial de infantaria tomou comando das defesas do campo de pouso durante a evacuação. Ele melhorou as duas baterias antiaéreas em sua disposição com os canhões de 20 mm de seu Bf 109 ao apoiar para cima a cauda do caça em barris para portar as armas estáticas da aeronave. Sob fogo pesado, onze Bf 109s decolaram com duas ou três pessoas dentro de cada minúscula cabine. Oito escaparam a investida soviética, três foram abatidos ou destruídos ao tentar decolar. Şerbănescu estava entre os sobreviventes.

Tomb of Alexandru Şerbănescu in Ghencea cemetery, Bucharest

O 7º Grupo de Caças continuou a voar operacionalmente em missões durante janeiro e fevereiro de 1943, mas só possuíam três aeronaves viáveis sobrando ao fim de fevereiro. Após uma difícil luta durante o inverno, o grupo foi enviado para casa para reequipar e se rearmarem. Com seis vitórias confirmadas em seu crédito, Şerbănescu foi promovido para Capitão. Após uma breve pausa ele retornou para o fronte russo no comando do Esquadrão 57, equipado com Bf109G.

A luta continuou pela primavera, foi alcançado notável sucesso pelo Esquadrão 57 sob a liderança de Şerbănescu. Ele foi premiado com a Ordem da Cruz Dourada da Virtude Aeronáutica pelo marechal Antonescu - o oficial de maior patente das forças armadas romenas - em junho, em reconhecimento de sua habilidade e coragem. Menos de duas semanas depois ele foi premiado com a Cruz de Ferro de Primeira Classe alemã em reconhecimento de suas 23 vitórias confirmadas, fazendo dele o piloto de caça com maior número de abates da Romênia.

O grupo continuou sias operações na linha de frente pelo verão; em agosto o 109 de Şerbănescu foi atingido e ele foi ferido, deixando-o com uma cicatriz facial permanente. No fim do mês ele foi condecorado com a Ordem de Michael o Bravo de Terceira classe, junto a muitos outros pilotos bem sucedidos. No mês seguinte, uma formação de Bf 109 romenos foi atacada por caças soviéticos ao atacar um grupo de Il-2. Pegos de surpresa, e com a desvantagem na diferença de altitude, os romenos sofreram pesadas perdas pelas mãos dos caças soviéticos. O próprio Şerbănescu foi atingido, mas ele recusou saltar com seu para quedas, levando seu avião danificado de volta para linhas aliadas e fazer um pouso forçado em seu campo de pouso. Uma história é contada de como que nos próximos dias, foi afirmada em jornais soviéticos a destruição completa do 7º Grupo de Caças Romenos; Şerbănescu voou em um campo de pouso soviético e soltou uma mensagem, convidando-os para vir e voar sobre seu aeródromo onde ele prometeu que seus pilotos não os atacariam, mas ficariam recuados e dariam a oportunidade dos soviéticos de olhar para baixo e ver como todos estão bem, vivos e ainda lutando.

A luta continuou pelo fim de 1943 e pelo ano novo, sem sinais de pausa para os romenos. Em fevereiro de 1944 Şerbănescu foi dado o comando do 13º Grupo de Caças, feito com esquadrões do 47º, 48º e 56º. Com a pátria romena sendo devastada pelas bombas da Força Aérea do Exército Americano, Şerbănescu e seus homens foram trazidos de volta para formar parte da defesa aérea de sua nação. Em 11 de Junho de 1944, Şerbănescu abateu sua primeira aeronave americana - um B-17 - seu 45º abate. Voando regularmente dentre as massas de bombardeiros nos raides americanos, ele conseguiu abater dois P-51s durante as próximas semanas.

Com a onda de oposição ao fascismo crescendo na Romênia, o fim estava próximo. Tragicamente, não seria rápido o suficiente para Şerbănescu. Em 18 de agosto ele estava em operação liderando doze de seus pilotos contra o raide americano. Os Bf 109 romenos entraram em combate contra os caças de escolta americanos, dividindo em dogfights individuais contra os P-51 e P-38. Dois dos pilotos de Şerbănescu viram um piloto americano se posicionar na cauda de Şerbănescu, mas não conseguiram ajudá-lo a tempo. Seu 109 se virou e mergulhou em direção ao chão. Şerbănescu conseguiu transmitir pelo rádio, mas não conseguiu saltar de para quedas, indicativo de um possível ferimento mortal. Suas últimas palavras foram “Meus garotos, estou caindo”. Cinco dias depois, após um golpe de Estado, a Romênia se juntou aos aliados.

O capitão Alexandru Şerbănescu foi um líder primeiro e um piloto de caça segundo, assegurando a admiração e respeito, não somente de seus homens, mas talvez mais exigentemente do comando da Luftwaffe. Ele recebeu as maiores honras de sua nação por valor e foi creditado com 47 abates confirmados. Hoje, tanto uma Avenida em Bucureşti e uma base da Força Aérea Romena levam seu nome, e o aniversário de sua morte é comemorada pela força aérea todos os anos.


About The Author

     

Mark Barber, Consultor Histórico do War Thunder

Mark Barber é um piloto da British Royal Navy's Fleet Air Arm. O seu primeiro livro foi publicado pela Osprey Publishing em 2008; subsequentemente, ele escreveu vários títulos para a Osprey e também publicou artigos para várias revistas, incluindo a revista de aviação 'FlyPast', topo de vendas no Reino Unido. A sua área de interesse principal é a British Naval Aviation nas primeiras e segunda guerras mundiais e o RAF Fighter Command na Segunda Guerra. Ele trabalha atualmente com a Gaijin Entertainment como Historical Consultant, ajudando a gerir a Secção Histórica dos fóruns do War Thunder e liderando a série Áses do Mês.


Numa das futuras atualizações iremos introduzir o Emblema do Grupul 9 Vânãtoare ao War Thunder:

 
Decalque feito por Jej 'CharlieFoxtrot' Ortiz

Gosta de jogar com as forças romenas? Voe com o Bf.109G-2 ou o Hs-129B-2 da Força Aérea Romena, no qual pode encontrar nos pacotes abaixo:

Este pacote inclui:
  • Tanque Panzerkampfwagen II Ausf. H (Nível I da Alemanha);
  • Aeronave Bf.109G-2 da Força Aérea Romena (Nível III da Alemanha);
  • 1500 Golden eagles;
  • Conta premium para 15 dias.
Preço: 22.99

Este pacote inclui:
  • Caçatanques Nibelungenwerke Panzer IV/70 (A) (Nível III da Alemanha);
  • Emblema da 20ª Divisão Panzer;
  • Avião de ataque ao solo Hs-129B-2 da Força Aérea Romena (Nível III da Alemanha);
  • Conta premium para 15 dias;
  • 4000 Golden Eagles.
Preço: 29.99

Ler mais:
Atualização Seek & Destroy
MPK Pr.11451: Ameaça de Água Rasa
  • 18 junho 2024
The Shooting Range #411
  • 17 junho 2024
Seek & Destroy: Melhorias e Refinamentos
  • 14 junho 2024