War Thunder background
Força Aérea Chilena e Peruana
Atenção! Esta notícia foi publicada na versão antiga da página. Pode haver problemas com a mostragem da mesma em certas versões do navegador.


Republic P-47D-25 Thunderbolt Designation FACH 750 do No. 11 Group Fighter Bomber.
Camuflagem feita por darth_linux_man | Download!


O desenvolvimento da Força Aérea Chilena (Fuerza Aérea de Chile, abreviando FACh) se iniciou em 1910 quando o Serviço de Aviação Militar (Servicio de Aviación Militar de Chile) foi fundado pelo tenente coronel Pedro Pablo Dartnell. Ele passou por treinamento de pilotagem na França, e havia retornado para sua nação com o conhecimento necessário para levar a um desenvolvimento aeronáutico. Apesar de esta jovem organização ter sua própria escola de voo, o primeiro lote de aviadores militares chilenos foram mesmo assim enviados para treinar na França. Um dos recrutas, capitão Manuel Ávalos Prado, eventualmente tomou comando da recém-fundada escola de aviação, chamada Escuela de Aeronáutica Militar et Lo Espejo, nos arredores de Santiago de Chile, a capital do Chile. Eventualmente, sua primeira unidade de combate foi formada em 1918, para ser estacionada na Base Aérea El Bosque e equipada com o caça monoplano Bristol M.1c e bombardeiros de Haviland DH.9. Mais unidades aéreas foram criadas nos meses seguintes, e em 1919, as unidades aéreas do exército e da marinha foram unificadas sob a Dirección de la Fuerza Aérea Nacional. Mas, graças à rivalidades entre o exército e oficiais de serviço aéreo, uma unidade aérea independente foi fundada em 15 de julho de 1920.

Um dos 26 P47D que serviram a Força Aérea Chilena

Em 1923, uma força aérea naval independente também foi criada, denominada Aviación Naval de la Armada de Chile, e durante estes anos, novas bases aéreas foram construídas - em 1924, quatro bases aéreas foram criadas. O primeiro esquadrão de bombardeiros foi então formado em 1928, equipados com Junkers R.42 e, logo após, um esquadrão anfíbio, equipados com hidroaviões Dornier Wal. A força aérea foi então reformada de novo, e em 21 de março de 1930, a Fuerza Aérea de Chile foi oficialmente formada como uma força aérea independente. Durante os anos de 1930, o influxo de aeronaves britânicas continuou, apoiado por aquisições da Alemanha e da Itália.

O aumento no número de pessoal e aeronaves gerou a necessidade de mudanças organizacionais, e duas brigadas do ar foram formadas nas bases aéreas de El Bosque e Temuco. Entretanto, cortes orçamentais devido à grande depressão causou escassez de materiais, e o pessoal estava fortemente desmoralizado graças à redução de seus salários. Esta queda da moral finalmente resultou no motim dos marinheiros chilenos de agosto a novembro de 1931 - este incidente é visto como o batismo de fogo da FACh, pois por várias vezes, bombardeiros foram enviados para atacar os navios rebeldes e sufocar os revoltosos.

A partir de 1940, os Estados Unidos começou a enviar missões de treinamento periodicamente para o Chile, e ao entrar na segunda guerra mundial em 1941, missões aéreas foram estabelecidas no Chile, com a tarefa de reorganizar a FACh de acordo com as táticas americanas. Isto também significou uma grande quantidade de aeronaves americanas enviadas ao Chile de acordo com o programa Lend-Lease. Graças à estes suprimentos, a FACh adquiriu novas aeronaves, como caças Republic P-47 Thunderbolt, hidroaviões Consolidated PBY Catalina e bombardeiros North American B-25 Mitchell.

Eventualmente nos anos de 1980, caças a jato Dassault Mirage 50 foram adquiridos da França, junto à aeronaves de treino ENAER T-35 Pillán construídos localmente. Hoje, o caça primário da FACh é o Lockheed Martin F-16 Fighting Falcon, com esquadrões de transporte equipados com C-130, DHC-6 Twin Otters e CASA C-212. A FACh também possui sua própria frota de helicópteros, contendo Bell 412 e UH-1.



Republic P-47D-25 da Força Aérea Peruana
Camuflagem feita por TeodorSan | Download!


No Peru, a aviação militar começou em janeiro de 1919 com a fundação do Servicio de Aviación Militar del Ejército del Perú, seguido pelo estabelecimento da primeira escola de voo equipada principalmente com aeronaves francesas. Logo após, a força aérea naval foi formada em 1920, e nos anos desta década, a missão aérea francesa que estava presente nos anos anteriores foi substituída pelos britânicos, dos quais os peruanos logo adquiriram caças e bombardeiros. A missão aérea britânica foi por vez substituída pela missão aérea americana em 1924, trazendo aeronaves americanas e iniciando um longo período de influência dos EUA sobre o Peru. Uma força aérea independente, chamada Cuerpo de Aviación del Perú (CAP), foi fundada em 20 de maio de 1929 ao se mesclar as divisões aéreas do exército e navais.

P47D da Força Aérea Peruana

Em 1932, ocorreu um incidente conhecido como o “incidente de Leticia”. Durante este conflito de pequena escala, o Peru fez uma tentativa de reivindicar um território na Amazônia da Colômbia invadindo uma guarnição em Leticia. Quando os esforços diplomáticos falharam, dois Vought O2U Corsairs peruanos atacaram embarcações colombianas no rio Amazonas - esta foi a primeira missão de combate da CAP. Durante o conflito, a CAP recebeu mais aeronaves da Grã-Bretanha, França e dos EUA. Como resultado, um cessar-fogo foi assinado em 1934, a CAP emergiu mais forte que nunca.

Durante os anos de 1930, o Peru adquiriu um grande número de aeronaves italianas junto a uma licença para construir aeronaves Caproni. O primeiro esquadrão de combate, chamado Esquadrón de Aviación No.1, foi formado em 1936, e quando a segunda guerra mundial eclodiu, a CAP consistia de quatro regiões aéreas, cada uma possuindo vários esquadrões. Apesar do fato de Peru não ter participado diretamente na segunda guerra mundial, ocorreu um pequeno conflito no Equador em 1941. A CAP participou ativamente deste conflito, equipada com aeronaves como caças Caproni Ca.114, North American NA.50, atacante Douglas DB-8 e bombardeiros Caproni Ca.135/Ca.310.

Com este inventário, a CAP proveu suporte às tropas terrestres peruanas até o cessar-fogo em outubro de 1941 ser assinado. Logo após este conflito, as forças aéreas navais e do exército foram separadas e reorganizadas. A CAP recebeu um lote de em torno de 60 aeronaves americanas sob o programa Lend-Lease com os Estados Unidos. Após o Peru assinar o tratado do Rio em 1947, ainda mais aeronaves foram entregues, incluindo caças Republic F-47D Thunderbolt. Três anos depois, a CAP foi reformada e a  Fuerza Aérea del Perú (FAP) surgiu.

Em 1955, a FAP recebeu sua primeira aeronave a jato: o caça North American F-86F Sabre. Este foi logo seguido por bombardeiros a jato English Electric Canberra em 1956. Mais aviões a jato foram adquiridos durante os anos de 1960 (por exemplo, caças Dassault Mirage 5 e Canberras adicionais), e a partir de 1974, o Peru começou a adquirir aeronaves soviéticas, notavelmente, os helicópteros Mil Mi-6 e Mi-8, caças Sukhoi Su-22 e aeronaves de transporte Antonov An-26. A partir de 1996, a FAP começou a receber caças MiG-29 e atacantes Sukhoi Su-25 providos pela Rússia e Bielorrússia. O MiG-29 era a base das forças da FAP até recentemente, quando foram suplementados por caças Dassault Mirage 2000. A força de ataque consiste em Su-25 e A-37 Dragonflies atualizados, enquanto os esquadrões de transporte estão equipados principalmente com aviões de transporte Antonov An-32 e de Havilland DHC-6 Twin Otter. A frota de helicópteros consiste em sua maioria por helicópteros russos como o Mi-25/35 e o Mi-17.

Autor: Jan “RayPall” Kozák

Numa das atualizações futuras, nós iremos adicionar os emblemas das Forças Aéreas Chilena e Peruanas:

Força Aérea Chilena Força Aérea Peruana
Decalques feitos por Colin 'Fenris' Muir

Quantos jogadores do Chile e Perú temos no War Thunder?

Mostre-se! Diga-nos qual o seu avião favorito!

Ler mais:
Caixa de Ferramentas!
  • 8 abril 2024
Mad Thunder: Rage and Loot!
Thunder Show: HOT TATO
Veículos do Battle Pass: Kungstiger