War Thunder background
Maio - Coronel Francis 'Gabby' Gabreski
Atenção! Esta notícia foi publicada na versão antiga da página. Pode haver problemas com a mostragem da mesma em certas versões do navegador.


Embora atingir o estatuto de ‘às’ como piloto de caça seja uma proeza impressionante, uma mão cheia de indivíduos ainda conseguiu alcançar o apelido em dois conflitos separados. “Gabby” Gabreski foi um desses indivíduos que, se viria a tornar no piloto às Americano mais pontuado no Teatro de Operações Europeu, que posteriormente viria a ser às de jato nos céus da Korea.

Nasce em Janeiro de 1919 em Oil City, na Pensilvânia, Francis Stanley Gabreski era descendente de Polacos, os seus avós haviam emigrado após a viragem para o século vinte. O seu pai inicialmente trabalhou em caminhos de ferro mas depois de adoecer ele pediu um empréstimo e comprou um mercado. Um trabalhador duro que apenas possuía a habilitação académica mediana. Gabreski no entanto consegue atingir notas para entrar na Universidade Notre Dame, no Indiana em 1938. Foi enquanto estudava na Universidade que Gabreski inicialmente desenvolveu um sério interesse em aviação e começou a pagar para ter lições de vôo privadas. O seu primeiro sabor de voar veio aos controlos de um monoplano de treino unimotor Taylor Cub. Porém, após seis horas de vôo era claro que Gabreski estava longe de ser um piloto natural.



No segundo ano de universidade de Gabreski, ele comparece no Corpo de Exército Aéreo Americano ((US Army Air Corps) mais tarde renomeado Força Aérea do Exército Americano (US Army Air Force) numa visita de recrutamento à Notre Dame mais os seus amigos. Imediatamente impressionado, Gabreski inscreve-se e entra no Exército Americano em Julho de 1940. Depois da sua iniciação em Pittsburgh, Gabreski foi colocado no Colégio Aéreo Parks, em East St. Louis, para vir a ter o seu treino de vôo em aviões de treino Stearman PT-17 e Fairchild PT-19. Lutando para acompanhar os seus parceiros, a carência de habilidade natural de Gabreski para voar chega ao ponto de ser dado como “eliminado” na avaliação de vôo - na ultima oportunidade para mostrar alguma habilidade ao staff instrutor antes de ser removido do treino de vôo. Gabreski foi bem sucedido, graduando-se no treino de vôo básico em Novembro de 1940.

Progredindo para os Vultee BT-13s na Base Aérea do Exército Gunther no Alabama.Gabreski continuou o progresso antes de passar para o Campo Maxwell para treino de vôo avançado no poderoso Texan AT-6 North American de treino. Em Março de 1942 ele graduou-se e foi comissionado como  2º Tenente no Exército Americano. A sua primeira atribuição foi com o 45º Esquadrão Caça no Campo Wheeler em Oahu, no Havai. Aqui ele voa p-36 Hawks e P-40 Warhawks, conseguindo umas 30 horas de vôo por mês.



Na noite de 6 de Dezembro de 1941, Gabreski teve a sua primeira discussão com a sua namorada e futura mulher Kay. Na manhã seguinte enquanto se barbeava ele ouve explosões fora dos seus aposentos - aviões navais Japoneses atacavam Pearl Harbor. Gabreski foi um dos muitos pilotos que conseguiu meter-se num caça e descolar, mas não a tempo de interceptar qualquer avião inimigo. Com a América emergida na guerra, Gabreski declarou-se a Kay pouco depois. Contudo, o verão de 1942 apenas viu saídas e patrulhas de treino na zona local para o 45º Esquadrão Caça.

Dada a sua descendência, Gabreski estava naturalmente preocupado com o destino da Polónia depois da invasão Alemã. Ouvindo que esquadrões Polacos serviriam dentro dos ramos da Força Aérea Real Britânica, Gabreski voluntaria-se para servir na Europa e ficou surpreso quando o Departamento de Guerra aprova a ideia. Promovido a Capitão, Gabreski chega a Inglaterra em Outubro e depois de alguns atrasos administrativos foi recebido no 315º Esquadrão Caça Polaco, aí convertendo dos Spitfire Mk.Vs para os Mk.IXs na Northolt da RAF a oeste de Londres.



Começando os vôos operacionais em Janeiro de 1943, Gabreski viu combate a primeira vez em Fevereiro quando o seu esquadrão foi atacado por uma formação de Fw 190s. Pelo final do mês ele foi transferido para o 61º Esquadrão Caça do 56º Grupo de Caças, voando com P-47 Thunderbolts da RAF Kings Cliffe em Nothamptonshire. O esquadrão move-se para Horsham St. Faith da RAF em Norfolk, em Abril e começa as operações ofensivas. Em Junho, para surpresa de Gabreski, ele é promovido a Major e é lhe dado o comando do esquadrão.

A 24 de Agosto, apesar de ter esperança contra os caças Alemães em varias ocasiõe, Gabreski pontua a sua primeira vitória contra um Fw 190 perto de Dreux, no norte de França. Ele abate outro Fw 190 em Setembro e um terceiro em Outubro antes de abater quatro caças Alemães em Novembro. A 11 de Dezembro Gabreski liderou o 61º Esquadrão Caça como parte da escolta de 200 caças aos B-17s e B-24s que tinham como alvo o porto Alemão de Emden. A força foi atacada por Bf 109s e Bf 110s e na luta que se seguiu, Gabreski abate um 110 antes de ele ser atacado e ficar bastante danificado por um Bf 109 que disparou contra um dos pedais do leme e parte da sua bota.



No inicio de 1944 Gabreski começou a voar com o 56º Grupo de Caças como elemento cabecilha, tendo renunciado o comando do 61º Esquadrão Caça. Ele também trouxe consigo vários pilotos Polacos da fraternidade dos Thunderbolts da RAF, incluindo o piloto às Boleslaw Gladych. Em Abril Gabreski foi promovido a Tenente Coronel e a 22 de Maio ele abate três Fw 190s numa única saída, tendo assim 22 vitórias aéreas confirmadas. A 5 de Julho ele abate um Bf 109 sobre Evreux na França para se tornar no às lider na USAAF. Com 28 vitórias pontuadas em 193 saídas foi-lhe atribuída licença para dispensa, mas enquanto esperava pelo o seu vôo de regresso para os Estados Unidos a 20 de Julho ele decidiu voar mais uma missão.

Enquanto regressava duma escolta a bombardeiros até Russelheim na Alemanha, Gabreski rompe a formação para atacar um grupo de Heinkel 111s estacionados num aeródromo perto de Bassenheim. Na sua segunda passagem as pontas das suas hélices batem no chão e ele executa uma aterragem forçada não muito longe do aeródromo inimigo. Depois de evitar a sua captura por cinco dias, Gabreski foi enviado para o campo Stalag Luft I POW onde permaneceu até as instalações serem libertadas pelas tropa Soviéticas em Abril de 1945.



Depois de ser repatriado para os Estados Unidos, Gabreski casou-se com Kay e tornou-se Comandante da Secção de Vôos de Teste no Campo Wright, em Ohio. Ele tirou um ano de folga da aviação militar em Abril de 1946 para trabalhar como piloto de teste para a Douglas antes de se juntar na recém independente Força Aérea dos Estados Unidos no ano seguinte. Ele graduou-se na Universidade de Columbia com o diploma em Ciência Politica antes de tomar comando do 56º Grupo de Caças, agora voando F-80 Shooting Stars da Base da Força Aérea em Selfridge, no Michigan. Ele supervisionou a conversão para o F-86 Sabre e foi promovido a Coronel em 1950.

Em junho de 1951 Gabreski foi enviado para a Base Aérea de Kimpo na Coreia e em Julho ele abate um MIG-15 sobre a Coreia do Norte para anunciar o seu regresso às operações na linha da frente. Este viria a ser o primeiro de seis MIG-15s, mais um sétimo partilhado, que viria a cair pelas armas do seu Sabre durante o conflito. Ele regressou aos Estados Unidos em Julho de 1952 e cumpriu com uma sucessão de nomeações para staff e comandante durante os quinze anos seguintes, culminando no final com a promoção a Comandante do 52º Destacamento de Caças. Ele reforma-se em Novembro de 1967 e trabalhou com a Grumman e como presidente dos Caminhos de Ferro de Long Island. Ele teve nove crianças mas tragicamente perde a sua mulher em 1993 quando se envolveram num acidente de viação. Depois de uma fantástica carreira o levar de um fraco piloto estudante com eliminação do seu treino de vôo a um dos mais bem sucedidos pilotos de caças da história militar dos EU, Francis Gabreski morre de ataque cardíaco em Janeiro de 2002.


Acerca do Autor


     

Mark Barber, Consultor Histórico do War Thunder

Mark Barber é um piloto da British Royal Navy's Fleet Air Arm. O seu primeiro livro foi publicado pela Osprey Publishing em 2008; subsequentemente, ele escreveu vários títulos para a Osprey e também publicou artigos para várias revistas, incluindo a revista de aviação 'FlyPast', topo de vendas no Reino Unido. A sua área de interesse principal é a British Naval Aviation nas primeiras e segunda guerras mundiais e o RAF Fighter Command na Segunda Guerra. Ele trabalha atualmente com a Gaijin Entertainment como Historical Consultant, ajudando a gerir a Secção Histórica dos fóruns do War Thunder e liderando a série Áses do Mês.


Quer ler mais acerca de outros áses da Segunda Guerra Mundial? Então entre na secção Perfil na nossa página oficial!


A Equipe War Thunder

Ler mais:
Caixa de Ferramentas!
  • 8 abril 2024
Mad Thunder: Rage and Loot!
Roadmap: Possíveis alterações ao modelo de dano dos veículos terrestres
Review de Veículo: T14 e seu Decalque!
  • 15 abril 2024

Comentários (0)

A notícia já não está disponível para comentar