War Thunder background
Ás do Mês - Capitão Eric “Winkle” Brown
Atenção! Esta notícia foi publicada na versão antiga da página. Pode haver problemas com a mostragem da mesma em certas versões do navegador.


Dadas as experiências dos seus anos de formação, Eric Melrose Brown esteve desde sempre destinado a voar. Nascido em Leith, perto de Edimburgo, Escócia a Janeiro de 1919, o pai de Brown era piloto e tinha servido nos “Royal Flying Corps” durante a primeira guerra mundial, antes disso transferiu-se para a RAF na sua formação. Ainda muito jovem Brown experiênciou o voo no cockpit de um biplanador sentado ao colo do seu pai. Com 17 anos acompanhou o seu pai até á Alemanha para assistir ás Olímpiadas de Berlim em 1936. Aqui conheceu o Ás de combate da Primeira Guerra Mundial Ernst Udet a pioneira de voos teste Hanna Reitsch – Udet levou Brown a voar e demonstrou-lhe uma série de manobras acrobáticas antes de levar o jovem escocês outra vez até terra firme e lhe dizer que ele seria um bom piloto de combate, e para isso ele tinha de aprender a voa e a falar alemão fluentemente. Brown viria a fazer os 2 nos anos seguintes.

Tendo acabado a escolaridade com um recorde impressionante na sala de aula e no campo dos desportos, Brown estudou línguas modernas na Universidade de Edimburgo, onde ele também começou o treino formal de voo, graduando-se com a Reserva Voluntária da RAF e acumulando cerca de 120 horas em Gloster Gauntlets. Patrocinado pelo Ministério das Relações Exteriores, ele retornou à Alemanha em 1938, onde tornou-se então um professor como parte de um programa de intercâmbio. Em Setembro de 1939, quando visita novamente a Alemanha, ele foi acordado numa manhã por dois membros da SS e um intérprete, que o informou que a Grã-Bretanha e a Alemanha estavam agora em guerra, e levaram-no para três dias de interrogatório. Ele viria a recordar a realização de discussões politicas e jogar xadrez com seus guardas entre interrogatórios.

Clique aqui para ler o artigo completo!


Após a sua libertação, ele voltou à Grã-Bretanha através da Suíça e enviado à RAFVR para funções de vôo - foi-lhe dito que a RAF tinha pilotos suficientes, mas a Frota Aérea da Marinha Real estava desesperada por pilotos. No entanto, mesmo com o seu relato impressionante no livro de registo, Brown foi condenado a realizar a sua formação voando com a Marinha Real, novamente, do zero. Após um mês de  Formação Geral Naval em Gosport, Brown realizou o seu treino de vôo inicial nas  Miles Magisters antes de avançar para a formação avançada. Foi enquanto voava um Hawker Harts que a guerra atingiu primeiro Brown no seu inicio - ele testemunhou numa ronda um Bf 110 a abater um dos seus companheiros piloto estudante. Mesmo antes da qualificação, enquanto voava um Gloster Gladiator, Brown tentou atacar um par de Heinkel 111s apenas para testemunhar eles os dois explodirem quando um foi atingido no compartimento das bombas por uma AA.

Comissionado como Sub-Tenente, brown juntou-se ao esquadrão naval 802 antes de ser enviado para a 801 NAS como substituto de emergência – uma chance que possívelmente salvou-lhe a vida. Tomou parte numa operação ofensiva sobre a Noruega, voando um Blackburn Skuas antes de voltar ao NAS, que se estava a reformar  com Grumman Martlets ( a variante Britânica do “Lend-Lease”) em Novembro de 1940 após a perda da maior parte do pessoal de serviço e dos Gladiators com o afundamento do HMS Glorious.



Brown fazia parte de um destacamento de seis aviões que embarcaram no navio-escolta HMS Audacity para deveres de escolta ao largo de Gibraltar. Nesta segunda volta de escolta, Brown abateu o seu primeiro avião –um Fw 200 Condor – com um ataque frontal. Abateu um segundo Fw 200 pouco tempo depois. Brown participou em patrulhas para caçar submarinos, o que resultou no ataque dele a dois submarinos com fogo de metrelhadoras a 21 de Dezembro.  Nessa tarde o Audacity foi afundado pelo U-751; 73 dos seus tripulantes perderam a vida, incluíndo 2 dos 9 pilotos da 802 NAS. Brown passou mais de 3 horas na água e sofria de hipotermia pela altura em que foi retirado da água. Foi mais tarde distinguido com a medalha Cruz de Serviço  pelas suas acções contra os Fw 200.


Após uma licença de sobrevivente de um mês, durante a qual se casou , Brown era dos pilotos da reformada 802 NAS em Março de 1942, pilotando um Sea Hurricane das RNAS Yeovilton. Em Maio, Brown foi enviado para Arbroath para efectuar aterragens de convés avaliar a capacidade do Sea Hurricane para operações no pequeno convés do navio-escolta. Brown tornou-se rapidamente piloto-sénior da 897 NAS antes de retornar ao trabalho de aterragens teste a bordo do convés, desta vez com o Supermarine Seafire. Agora firmando o seu pé no mundo dos voos-teste, Brown deu por si a operar uma variada série de tipos de aviões, incluíndo os Swordfish, Oxford, Avenger, Barracuda, Firefly e Firebrand. Esteve também envolvido no teste de descolagem assistida por rockets.



Em Abril de 1943 Brown foi anexado aos 411º e 416º Esquadrões da RCAF, parte da Wing No.144 do Wing Commander "Johnnie" Johnson’s, para ensinar aterragens em convés - aqui ele também voou nos Spitfires em batalhas para limpar uma Europa ocupada. Lá para o final do ano, Brown muda-se de vôos de treino para vôos de teste, inicialmente voando com Short Stirlings em Boscombe Down, antes de vir a ser convidado a investigar a possibilidade de operar o Havilland Mosquito a partir do convés de um porta-aviões - um feito que ele conseguiu alcançar para se tornar o primeiro piloto de sempre a aterrar um avião bimotor num porta aviões. Bem como testes de vôo nas novas aeronaves Brown por estar agora também envolvido na avaliação aviões inimigos capturados, começando com o Fw 190. A sua equipa também realizou um trabalho pioneiro, testando os efeitos da compressibilidade em altas velocidades.


 Brown foi um dos primeiros pilotos navais a voar num avião a jato, e depois um helicóptero. Em Março de 1944, ele foi homenageado como Membro da Ordem do Império Britânico. Em Abril de 1945 ele se tornou o primeiro piloto do mundo a realizar uma aterragem e descolagem num porta-aviões com uma aeronave com o trem de aterragem triciclo - um P-39 modificado. Os ultimos dias de Brown na Segunda Guerra Mundial foram ocupados com o seu trabalho nos Võos em Aviões Inimigos, que testou aviões alemães e italianos capturados. Brown foi o único piloto aliado a fazer vôos de teste no Me 262, Me 163, Ar 234 e He 162. Ele testou mais de 50 aeronaves do eixo e mais tarde escreveu o livro definitivo sobre a comparação dos aviões da Segunda Guerra Mundial - "Duels in the Sky". As suas experiências pré-guerra na Alemanha, a fluência da língua e da experiência militar também resultou no seu envolvimento no interrogatório de projetistas de aeronaves alemãs, pilotos e na sua liderança ao levar oficiais superiores alemães até os julgamentos de Nuremberga.



A carreira de piloto no pós-guerra de Brown foi maioritariamente trabalho pioneiro envolvendo-se tanto com os aviões a jacto e helicópteros. Em Dezembro de 1945 ele conseguiu pela primeira vez no mundo aterrar um caça a jato - um Havilland Sea Venom - no convés do porta-aviões HMS Oceanera. Promovido a Tenente-comandante em 1951, ele continuou a fazer vôos de teste com a Marinha dos EUA, durante o qual ele se envolveu com a adoção da catapulta a vapor  Americana. Ele também trabalhou na Alemanha na década de 1950, ajudando com a integração do país na NATO. Depois de trabalhar como Diretor Adjunto de Guerra Naval e finalmente como Ajudante Naval de Campo para a Rainha Elizabeth II, Brown aposentou-se da Marinha Real em 1970 com a patente de capitão.


O capitão Eric Brown detém vários recordes da aviação mundial, incluíndo o de mais tipos de aeronaves pilotadas (487), 2407 aterragens em convés no mar e 2721 descolagens em mar. Nos seus últimos anos escreveu vários livros sobre a viação militar e foi altamente activo no círculo de palestras. Internacionalmente respeitado, recebeu honras de vários países incluíndo E.U.A. e da Rússia. Um orador carismático meticuloso até ao final da sua vida, “Winkle” Brown (diminutivo de Periwinkle, um pequeno caracol do mar desvio á sua diensão dimínuta) infelizmente morreu a 21 de Fevereiro de 2016. Mark e Joe da equipa de autores foram ambos fortuitos o suficiente para conseguir trocar correspondência com ele ainda antes de falecer – apesar do seu estatuto lendário, sempre arranjou tempo para falar com entusiastas da aviação a um nível bastante pessoal. Será sempre lembrado como um dos grandes aviadores da história em voos de teste.


Acerca do Autor

     

Mark Barber, Consultor Histórico do War Thunder

Mark Barber é um piloto da British Royal Navy's Fleet Air Arm. O seu primeiro livro foi publicado pela Osprey Publishing em 2008; subsequentemente, ele escreveu vários títulos para a Osprey e também publicou artigos para várias revistas, incluindo a revista de aviação 'FlyPast', topo de vendas no Reino Unido. A sua área de interesse principal é a British Naval Aviation nas primeiras e segunda guerras mundiais e o RAF Fighter Command na Segunda Guerra. Ele trabalha atualmente com a Gaijin Entertainment como Historical Consultant, ajudando a gerir a Secção Histórica dos fóruns do War Thunder e liderando a série Áses do Mês.


Quer ler mais acerca de outros áses da Segunda Guerra Mundial? Então entre na secção Perfil na nossa página oficial!


A Equipe War Thunder

Ler mais:
Evento Inferno Cannon - PLZ 83-130!
Caixa de Ferramentas!
  • 8 abril 2024
Inferno Cannon: PLZ83-130
  • 24 abril 2024
Warbonds da temporada do Battle Pass Northern King!