War Thunder background
Ás de Tanques Ion S. Dumitru
Atenção! Esta notícia foi publicada na versão antiga da página. Pode haver problemas com a mostragem da mesma em certas versões do navegador.

Pz.Kpfw. IV em serviço no Exército Romeno, classificado como T4, similar ao usado por Dumitru.


Ion S. Dumitru nasceu a 1 de março de 1921 em Robanesti, no Condado de Djol no sul da Romenia. Após terminar a sua educação na escola superior em Craiova, ele ingressou na escola superior militar em Timisoara, onde se graduou em 1941 como um dos melhores estudantes. Ele continuou a sua educação na Escola de Oficiais de Infantaria em Bucareste e, após uma graduação bem sucedida, ele foi promovido à sua primeira unidade operacional - o recentemente constituído 1º Regimento de Tanques estacionado em Targoviste. Esta unidade participou na Batalha de Estalinegrado, e praticamente cessou de existir devido a estrondosas baixas - apenas dois tanques e 944 homens sobreviveram.

O T4 esteve em serviço na Roménia durante a Guerra, mesmo após o país mudar de lado.

Na altura, a Roménia era aliada da Alemanha Nazi, pelo que Dimitru recebeu treinamento em guerra de blindados no Centro de Treinamento de Tanques de Fallingbostel. Aqui, Dimitru tornou-se um tanqueiro especialista em tanques médios PzKpfw IV, usados pelos romenos sob a designação de T-4. Após voltar,  o seu 1º Regimento de Tanques foi empregue na Moldávia como parte da 1ª Divisão Blindada da Grande Roménia (parte do 4º Exército, Grupo de Exército do Sul da Ucrânia).

A 20 de agosto de 1944, os soviéticos lançaram a grande ofensiva de Jassy-Kishinev com o objetivo de recapturar a Moldávia e eliminando todas as forças do Eixo na área. As unidades de tanques romenas estavam severamente em inferioridade numérica, com apenas 170 veículos romenos contra 1800 veículos soviéticos. No mesmo dia, o 1º Regimento de Tanques actuou como ponta de lança do contra-ataque da 1ª Divisão Panzer, apontando aos flancos das colunas blindadas soviéticas. Perto do aldeamento de Scobalteni, os romenos avistaram uma grande formação de tanques soviéticos, e iniciaram o assalto. A batalha resultante demorou 10 horas e acabou com a ordem de retirada tática soviética. Com o custo de 20 tanques perdidos, os romenos abateram 60 veículos soviéticos, incluíndo tanques pesados IS-2. Acredita-se que Dimitru, que comandava um pelotão de tanques, tivesse destruído pelo menos um tanque soviético durante a batalha, obtendo o seu primeiro abate em combate. A vitória romena foi no entanto de pouca dura. Um rápido avanço soviético ao logo da autoestrada cortou o 1º Regimento de Tanques do resto da divisão, cercando-o.

Logo de seguida chegaram informações acerca da destruição do resto da 1ª Divisão Blindada, e a decisão tomada foi na retirada da autoestrada durante a noite para tentar quebrar o cerco. No entanto, a unidade ficou separada em várias partes, e Dumitru descubriu rapidamente que estava no comando de 13 tanques T-4 e vários semilagartas. Dimitru liderou a sua unidade à aldeia de Sabaoani, onde uma unidade antitanque romena estava localizada, defendendo uma grande vala.

Tanques Panther romenos em movimento.

Dimitru juntou-se aos defensores e estabeleceu uma posição de emboscada, posicionada numa floresta perto da vala. À tarde, uma coluna de 22 tanques soviéticos aproximaram-se da vala, acompanhados por infantaria. Os soviéticos avançaram, mas falharam a identificar os tanques de Dimitru e as armas antitanques antes de ser demasiado tarde. De forma a poupar munições, Dumitru ordenou aos seus homens para disparar apenas ao seu comando, e todos os tanques soviéticos foram rapidamente abatidos. Um deles foi destruído por Dumitro.

A 24 de agosto, o governo pro nazi do Marechal Ion Antonescu foi deposto num golpe liderado pelo Rei Michael, que imediatamente aceitou uma proposta de armistício dos aliados, colocando o país do lado dos aliados. O armistício não foi assinado até ao dia 12 de setembro, e entretanto, o Exército Vermelho viu os romenos como hostis, internando soldados romenos como prisioneiros incluindo Dumitro e todo o 1º Regimento de Tanques. Dumitru escapou de um campo de prisioneiros (na sua segunda tentativa, pois foi apanhado na primiera) e juntou-se ao 2º Regimento de Tanques. Esta unidade foi então enviada para a Eslováquia em março de 1945 como parte da 27ª Brigada Blindada - ironicamente, foi esta mesma a unidade que Dimitru enfrentou em agosto de 1944.

Em fevereiro de 1945, Dumitru foi promovido a tenente. A 26 de março, o 2º Regimento de Tanques foi recolocado durante a travessia do rio Hron. O pelotão de Dumitru conseguiu abater seis peças antitanque e capturou uma bateria de morteiros de campanha de 15 cm sFH 18. O avanço foi parado por um pelotão de tanques pesados Tiger, mas Dumitru, mostrando as suas proezas como comandante, conseguiu flanquear os Tigers com o seu pelotão, forçando-os a retirar. Alguns dias depois, a 31 de março, o pelotão de Dumitru estava dando apoio a infantaria soviética, quando o avanço foi novamente parado por um pelotão de Tigers, acompanhados por vários tanques médios PzKpfw IV e mesmo um pelotão de caçatanques pesados Ferdinand. Os Tiger e Ferdidand foram forçados a retirar pela artilharia soviética, deixando apenas uma desorientada companhia de tanque PzKpfw IV. Dumitru imediatamente carregou sobre eles, com tanques do seu pelotão a disparar em movimento.

Soldados romenos em 1944.

Dois tanques alemães foram abatidos e outros dois foram danificados. Na noite seguinte o 2º Regimento de Tanques assaltou a aldeia fortificada. No entanto, os soldados alemães estavam ocupados a celebrar a páscoa católica, e foram apanhados de surpresa. Durante o assalto, forças soviéticas e romenas ficaram sob fogo de artilharia germânica. Em resposta a isto, Dumitro ordenou ao seu artilheiro para disparar sobre a torre do sino, pois suspeitava que o batedor de artilharia alemão lá estava escondido. A sua suspeição provou estar certa, pois o fogo de artilharia cessou após a destruição da torre. O 2º Regimento de Tanques participou então no assalto a Bratislava, capital da Eslováquia, mas não encontrou qualquer blindado alemão. O regimento atravessou o rio Morava através da Austria durante os primeiros dias de Abril de 1945, tomando parte da Batalha de Viena, capital austríaca.

No dia 13 de abril de 1945, durante o ataque a Schrick, a unidade de Dumitru foi flanqueada por três Panther germânicos. O T-4 de Dumitru foi atingido e abatido, e ele ficou severamente ferido, perdendo a sua perna. O serviço nas linhas da frente tinha terminado, mas além da recuperação, ele continuou a servir no 2º Regimento de Tanques num posto administrativo. Durante a sua carreira, os homens sob o seu comendo abateram cerca de 39 tanques e 13 veículos, ambos soviéticos e germânicos. Dumitru é creditado com 6 tanques e veículos destruídos e pelo menos 6 peças antitanque. Como recompensa pela sua habilidade e bravura, ele foi condecorado com a Ordem de Mihail Viteazu de 3ª Classe - a maior honra militar romena.

Após a Segunda Guerra Mundial, Ion Dumitru continuou a servir no exército romeno como instrutor de tanques antes de se retirar do exército em 1953.


Autor: Jan “RayPall” Kozák


Numa das futuras atualizações iremos incluir o Crachá Real Romeno ao War Thunder:

Decalque feito por Branislav "InkaL" Mirkov


Ler mais:
Caixa de Ferramentas!
  • 8 abril 2024
Mad Thunder: Rage and Loot!
Celebre o Dia Internacional do Voo Espacial Tripulado com um Decalque Temático!
  • 12 abril 2024
Thunder Show: FIRE ARC
  • 12 abril 2024