War Thunder background
Project 7U
Atenção! Esta notícia foi publicada na versão antiga da página. Pode haver problemas com a mostragem da mesma em certas versões do navegador.

Uma nova adição à armada soviética - o contratorpedeiro Project 7U. Os navios desta classe serviram na defesa da União Soviética desde os primeiros dias do seu envolvimento na Guerra.


História

Nos inícios dos anos 30, o jovem e ambicioso estado soviético decidiu introduzir novos contratorpedeiros para defender as suas águas territoriais. Os novos navios tinham como objetivo substituir navios desatualizados da classe, que se desempenharam muito aquém das espetativas na Primeira Grande Guerra. Um escritório de desenho especial foi atarefado de alcançar esta necessidade, e os contratorpedeiros italianos de classe Maestrale foram selecionados para protótipos. Para além das muitas boas qualidades, o Project 7 também tinha pontos fracos. Um deles foi a colocação linear dos motores - isto tornou-se a razão para redesenhar toda a série. Isto foi motivado pela retirada de serviço dos contratorpedeiros Hunter britânicos, que tinham a mesma colocação dos motores - uma única mina era o suficiente para que o navio ficasse imóvel. Esta alteração feita pelos construtores de rever a colocação dos motores nos contratorpedeiros Project 7. O resultado foi que todos os navios lançados à água tinham os motores colocados na forma de echelon.

A versão modernizada foi designada com a letra U de modernizada. A silhueta do navio alterou de uma para duas chaminés, enquanto a superestrutura do convés e armamento permaneceram inalterados. Ao melhorar a capacidade de sobrevivência do sistema de energia e consideravelmente apertando a colocação das secções do contratorpedeiro, os engenheiros sacrificaram velocidade e alcance total, e mudaram a colocação das armas antiaéreas para locais muito menos práticos. A série foi lançada à água apesar das desvantagens - na altura que a Alemanha tinha invadido a URSS, sete unidades 7U tinham sido construídas, e outros 11 foram construídos durante a guerra.


image

   Os membros dos testes pre-beta poderão testar este contratorpedeiro em testes futuros, e o resultado
dos testes será tomado em consideração para o desenvolvimento futuro da armada. 

Os comandantes poderão olhar para todas as vantagens e desvantagens do contratorpedeiro Project 7U no War Thunder. O Project 7U é um navio altamente armado e resistente mas comparativamente lento. O sistema de propulsão é apoiado por dois compartimentos de caldeiras. Este gigante soviético tem uma potência de 60000 cavalos e consegue alcançar 36–38 nós (até 70 km/h). Este contratorpedeiro possui uma tripulação de 271 homens,  maioria dos quais servem no seu enorme arsenal. O contratorpedeiro está equipado com quatro canhões de 130 mm, dois na popa e dois na proa. Os canhões estão apoiados por três tubos de torpedos e cargas de profundidade. O armamento antiaéreo inclui armas de vários calibres: duas armas de 76 mm na popa, três de 45 mm atrás da primeira chaminé, e quatro metralhadoras de 12.7 mm DShK.



O principal objetivo dos Contratorpedeiros Project 7U nas batalhas do War Thunder será ajudar os colegas e providenciar apoio de artilharia durante manobras com pequenas armadas. O posicionamento das antiaéreas é longe do ideal, com uma arco de fogo limitado e deixando o contratorpedeiro relativamente vulnerável a ataque aéreos. A destruição de um enorme Project 7U não é fácil, é por isso que os comandantes se deverão concentrar  em controlar e apontar as armas do navio durante a batalha. O carregamento da arma principal demora mais de 11 segundos, mesmo com uma tripulação devidamente treinada. No entanto, os oponentes certamente saberão quando você lhes acertar - as munições de 130 mm vão dar um dano enorme, enquanto um torpedo preciso é mais que suficiente para parar o avanço de navios adversários. 


Wallpaper 1280x1024 | 1920x1080 | 2560x1440


 

Ler mais:
Battle Pass: USS Flagstaff
  • 17 abril 2024
RN Bolzano: O Último Cruzador
  • 18 março 2024
Imperial Flagship: SMS Baden
AH-1W Super Cobra

Comentários (0)

A notícia já não está disponível para comentar